Empreendedorismo: mentoria com aluno da Link School of Business

  • por
empreendedorismo-link-school-of-business

No dia 27 de julho deste ano, eu conversei com o Will, meu aluno na @link_sb.

A Link School of Business é uma faculdade que nasceu do sonho de promover, por meio da educação, o desenvolvimento do país, formando líderes, empreendedores e agentes de mudança.

Por isso, é uma faculdade de administração de empresas focada 100% em empreendedorismo, que atua em um ambiente igualitário e aberto, em que empresas, startups, alunos e professores convivem, desenvolvendo a troca de conhecimento e inovação.

O Will é um dos vários discentes buscando transformar o mundo e os destaques do nosso papo você confere a seguir!

Primeiros passos no empreendedorismo

Iniciamos nosso papo falando um pouco sobre minha jornada na Sieve, uma empresa de tecnologia voltada para prestação de serviços para o e-commerce.

Ali, passei por todos os processos que os alunos da Link estão passando ou certamente irão passar, uma vez, que estando na Instituição, eles irão se tornar empreendedores se já não forem.

Contei para o Will que vendemos a empresa no momento certo: tínhamos muita demanda, validamos nosso modelo de negócio, os clientes existiam em números satisfatórios, começamos a escalar e não conseguíamos mais fazer todos os processos da forma que fazíamos no início da nossa trajetória empreendedora, que acontecia, sobretudo, manualmente.

A principal lição que esse processo me ensinou é que, mais importante do que ser apaixonado pela solução, é ser apaixonado pelo problema. Assim, você sempre estará tomando decisões em prol do seu cliente e da evolução do seu negócio.

A importância da mentoria no empreendedorismo

Também conversamos sobre a importância da mentoria tanto para quem está começando quanto para quem já empreende há um tempo, e como a Endeavor  foi fundamental nesse ponto da minha vida, pois através do Instituto tive a oportunidade de aprender e ser mentorado por pessoas incríveis.

Uma delas foi o Eric Young, Vice-Presidente Global de Pricing da Amazon

Naquele dia, ele me ensinou uma lição que eu jamais vou esquecer: empatia é o pilar do encantamento.

Como desenvolver o protótipo seu produto

Durante a conversa com o Will, fui questionado sobre os protótipos que descartamos no desenvolvimento da Sieve.

A tecnologia da empresa surgiu do trabalho de conclusão de curso do meu sócio da época, o Felipe Salvini.

Essa tecnologia se baseava na extração de dados de alguns sites. Tendo isso definido, nós procuramos algum problema que pudéssemos resolver com aquela solução o que não aconselho aos meus alunos. Acredito que o melhor seja, antes de tudo, definir um problema, assim, as chances do processo ser bem-sucedido são maiores.

Mas, dessa maneira, criamos nossos primeiros protótipos no ramo de e-commerce.

Lembrando que é muito difícil acertar de primeira. Precisa-se vender, em primeiro lugar, um sonho: o seu cliente precisa ser convencido que você é capaz de resolver o problema que ele possui. 

Caso você tenha identificado o problema, o caracterizado e detenha um produto que resolva aquele dilema, você maximiza a probabilidade do seu empreendimento ser bem sucedido.

Crescimento e geração de valor

Você já parou para pensar nos fatores que agregam valor em uma empresa? Aumento no número de funcionários? Níveis mais altos de automação? Prêmios? Capas de revista? 

Se responder afirmativamente para alguma dessas opções, está equivocado. O que gera valor para uma companhia é a quantidade que se vende ou o nível de satisfação dos clientes.

Contudo, no final do dia, it’s all about people. A maior vantagem competitiva que uma empresa pode ter é não conseguir ser copiada por seus concorrentes; entretanto, isso acontece com frequência. 

Por isso, a única coisa que não pode ser copiada é a sua cultura organizacional: conjunto de valores, crenças e hábitos compartilhados pelas pessoas que fazem parte da empresa.

Não esqueça, sua cultura começa quando a sua empresa começa.

Trabalhe e se esforce para que isso esteja bem definido e seja um parâmetro claro tanto interno como externamente para sua clientela e para seus funcionários.

O método 10:20:70 de aprendizado

Na Link utilizamos o método 10:20:70, muito difundido na Andragogia, a aprendizagem de adultos.

 

Fonte: Andragogia Brasil

Nesse modelo, 70% do aprendizado é originado da prática e experiência, 20% vêm da observação e envolvimento com pessoas que dominem a temática em questão – e aqui entram mentores diretos e indiretos, por exemplo – e, por fim, os 10% do aprendizado restantes são adquiridos através da educação formal (que pode acontecer quando você assiste lives no Instagram, participa de aulas ou até seminários sobre o assunto no qual deseja se aprofundar).

Não existem pessoas extraordinárias

O final da nossa conversa foi pautada na minha experiência em Harvard, que sempre foi um grande sonho. No curso OPM (Owner/President Management) tive a oportunidade de conhecer pessoas fantásticas, muito diferentes e das mais variadas culturas, e pude agregar muito ao meu network.

No curso todos eram empreendedores. Entre tudo que aprendi, alguns me marcaram consideravelmente:

  1. Os valores relativos a cultura organizacional
  2. Não existem pessoas extraordinárias, existem pessoas comuns que fazem coisas extraordinárias

Encerramos ressaltando a importância de nos colocar presentes em nossas relações e atividades, certamente isso faz toda a diferença na construção de bons resultados e relacionamentos.

Gostou deste artigo? Compartilha com alguém que você acha que vai curtir também.

No meu Instagram @vabo23 estou sempre compartilhando os passos mais importantes da minha jornada e trocando ideias sobre people skills, liderança, empreendedorismo e a vida, em geral.

Segue lá e me manda seus desafios por DM, não esquece de me contar aqui nos comentários e lá no instagram o que achou do artigo. Até a próxima!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.