“Sonhos sem riscos produzem conquistas sem méritos”

No dia 15/09/2010, o professor Sérgio Yates da PUC-Rio me apresentou a um cara vestido de bermuda na recepção da incubadora da universidade. Algumas semanas depois, embarquei numa jornada que iria mudar a minha vida.

Salvini e eu vivemos a experiência empreendedora na veia!!!

Abrimos mão de um salário, acreditamos em uma ideia, botamos dinheiro do nosso bolso, abraçamos o risco, levantamos hipóteses, prototipamos, fomos pra rua gastar sola de sapato, refinamos o produto, botamos mais dinheiro do nosso bolso, conseguimos os primeiros clientes, validamos o modelo de negócios, conhecemos pessoas incríveis, recebemos investimento da Arpex, conseguimos os primeiros clientes grandes, vendemos tanto que não conseguimos entregar, ajustamos a entrega, evoluímos o produto, conhecemos mais pessoas incríveis, algumas dessas se tornaram nossas sócias, quase quebramos algumas vezes, nos tornamos Empreendedores Endeavor, ganhamos alguns prêmios, criamos um novo segmento no e-commerce brasileiro, conhecemos mais pessoas incríveis, algumas dessas viraram nosso empreendedores-irmãos, assumimos novos e maiores desafios, nos tornamos um grupo, vendemos o grupo, conhecemos mais pessoas incríveis, assumimos novos e maiores desafios, fizemos a transição do grupo dentro da maior plataforma digital da América Latina, erramos muito, acertamos mais, nos autoconhecemos e principalmente… aprendemos!

Aprendemos que o maior ativo que construímos esse tempo todo foi o nosso time e a nossa cultura! Todo o resto é derivado disso!

No dia 01/06/2017, encerrei a transição da venda do Sieve Group e parto rumo a novos desafios!

Muito obrigado a cada um de vocês (time, clientes e parceiros) que nos ajudou a construir essa história!

Em breve, volto aqui com novidades dos próximos projetos!

Por ora, terei a honra de ser o co-host da transmissão online do evento Day1 da Endeavor na segunda-feira agora 05/06/17 a partir de 18:30h. Não deixem de assistir!

Continuo com as aulas na PUC-Rio e as mentorias na Endeavor!

Fiquem bem, boa sorte e sucesso! =)

“Mais importantes do que suas qualidades, habilidades, o diploma que você tem na parede ou seu sobrenome, o que demonstra quem realmente você é, serão sempre as suas escolhas”

Carta aberta aos empreendedores: é hora de dizer “não” aos atalhos

Nesse momento de inflexão na vida política brasileira, é hora de dizer NÃO aos atalhos!

Veja a carta aberta publicada no portal da Endeavor:

Empreendedores devem ser o motor da mudança e o exemplo que queremos multiplicar pelo país.

Há 20 anos a Endeavor foi criada com uma crença fundamental: multiplicar a força do exemplo de empreendedores que apoiamos para inspirar e mostrar o caminho do crescimento a todos aqueles que já estão no jogo ou iniciando as suas trajetórias à frente de um negócio.

Vivenciamos agora um momento especialmente crítico da nossa história, onde o mau exemplo dado por empresários que deveriam ser a nossa fonte de inspiração contamina negativamente a percepção da sociedade sobre quem produz, emprega e inova. Mais do que isso, o mau exemplo espalha a crença de que só é possível construir um grande legado empreendedor transigindo as regras do jogo.

Felizmente isso é a exceção num país com quase 10 milhões de empreendedores como o Brasil. Em vários momentos, estes heróis enfrentam o fantasma da burocracia e do peso do Estado na forma de mudanças tributárias diárias, lentidão nos processos de licenciamento e ofertas de um caminho com menos solavancos e mais atalhos para aqueles que aceitarem corromper os agentes públicos. A imensa – e silenciosa – maioria de empreendedores trabalha duro todos os dias para tirar as ideias do papel e construir um sonho que impacte cada vez mais pessoas, carregando consigo todo o entulho burocrático brasileiro, que precisa urgentemente ser removido.

Fazer as coisas do jeito certo, sem tomar atalhos, é imprescindível aos empreendedores e ao país.  Temos muito orgulho de apoiar mais de 100 empreendedores que nos últimos anos cresceram a uma taxa de 26% ao ano e vão gerar 10 mil novos empregos em 2017, ao mesmo tempo em que assumiram um compromisso público pela ética na atuação como donos de negócios. Eles mostram que é possível, sim, crescer pela via correta, mesmo que mais longa e esburacada. São exemplos de um Brasil que dá certo que nos orgulha e que poderia ser multiplicado se encontrássemos aqui um ambiente de negócios mais amigável.

Em um momento conturbado, em que valores e ética empresarial aparecem em segundo plano no noticiário, conclamamos todos os empreendedores do país a não tomar atalhos e, com seu bom exemplo, ajudar a criar um ciclo virtuoso de prosperidade para todos.

E, que da próxima vez que alguém disser que há um jeito mais “fácil”, a decisão de não transgredir seja a única opção. Você, empreendedor, precisa ser o agente da mudança com as suas atitudes.

 

Fonte :: https://endeavor.org.br/carta-aberta-aos-empreendedores-e-hora-de-dizer-nao-aos-atalhos/

Empresa é que nem filho: a gente cria para o mundo

 

Para muitos empreendedores, o processo de venda e sucessão na empresa costuma ser doloroso. Minha experiência mostra que não precisa ser assim.

O trajeto é conhecido: um empreendedor identifica um problema, vê a oportunidade de resolvê-lo de forma inovadora, monta uma empresa, cresce forte, recebe uma oferta irrecusável de compra (ou de fusão) e decide aceitar. Até aí, nada de novo. São muitos os casos de gente que segue esse caminho.

Mas, e depois? O que acontece? Do momento da sucessão — que é delicado e super importante na carreira de qualquer pessoa que tenha criado uma empresa — não existem tantos registros assim. Não existe uma ferramenta, ou um manual específico com o que fazer e o que evitar. O que existe é a experiência de cada empreendedor e o melhor que cada um pode se prestar a realizar depois.

Como tive a oportunidade de viver essa situação, gostaria de compartilhar alguns aprendizados e percepções que podem te ajudar a lidar com esse momento de transição em uma empresa.

O negócio nunca é só seu

É comum me perguntarem como é que eu me “desapeguei” do negócio que vendi. Para responder, costumo falar do início da Sieve: quando meu sócio e eu criamos a empresa, tínhamos uma certeza – a de que o negócio surgiu para resolver um problema claro e real do e-commerce. Assim sendo, nunca tivemos essa percepção de que a Sieve era só nossa, porque também era dos clientes cujos problemas queríamos solucionar (lojas virtuais e fabricantes).

Além disso, queríamos que cada membro do nosso time (os Sievers) se sentisse feliz e motivado por trabalhar na Sieve. E, pra que isso acontecesse, o compartilhamento da cultura organizacional tinha que ser total, sem restrições. Ou seja, o negócio também era da nossa equipe.

Por isso, a questão do “desapego”, no meu caso, não teve tanta importância. Então, minha principal orientação, aqui, é que:

VOCÊ, EMPREENDEDOR(A), DEVE TER CONSCIÊNCIA DE QUE SEU NEGÓCIO É COMO UM FILHO. EM UM MOMENTO, VOCÊ É TOTALMENTE RESPONSÁVEL POR ELE. MAS DEPOIS, ELE CRESCE, SE DESENVOLVE, SAI DE CASA… VAI PARA O MUNDO.

Chega o tempo em que o negócio não depende mais só de você. No nosso caso, como sempre tivemos essa mentalidade, nunca foi uma questão delicada essa de vínculo muito estreito com a operação. Isso tornou mais fácil e mais leve o processo de sucessão, tanto interno quanto externo.

Fizemos fusões e vendemos. Mas continuamos tocando o negócio

Muita gente também se pergunta também sobre “o que fazer” após a conclusão de uma venda. Quais passos devem ser dados.

Novamente, não existe uma receita de bolo. Até porque depende muito do momento em que a empresa está. No caso da Sieve, nós continuamos tocando o negócio como executivos. A equipe e a operação continuou sob nossa responsabilidade. A principal diferença é que, com a chegada de novos sócios, o sonho grande aumentou.

Aliás, a questão do sonho grande, aqui, é super importante, porque a minha orientação quanto aos próximos passos para gestores que passem por essa experiência sempre será a de ampliar esse sonho grande. Sempre digo para buscarem parceiros em linha com os seus valores e objetivos, além de um modelo de negócio que permita que o sonho se expanda ainda mais.

Empreender não é só abrir uma empresa

Por falar em sonho grande, quero propor uma reflexão um tanto filosófica: para mim, empreender é muito mais do que abrir e tocar um negócio.

É UMA ATITUDE DE VIDA, E QUE, POR ISSO, É INDISSOCIÁVEL DO LEGADO QUE PRETENDEMOS DEIXAR.

Faço essa reflexão porque também ouço muitas perguntas sobre como, depois de vender um negócio, o(a) empreendedor(a) pode continuar contribuindo com o ecossistema. Sobre como pode disseminar a cultura empreendedora.

Além, evidentemente, da possibilidade de ele abrir outro negócio, existem outros caminhos que ele(a) pode trilhar também.

No meu caso, procuro “irradiar” esse espírito das mais diversas formas. Por exemplo, dando mentorias na Endeavor, para orientar quem está passando pelos desafios que passei. Também costumo ministrar palestras ou escrever artigos contando histórias e aprendizados, como esses que estou compartilhando com você. Investimento-anjo é uma vontade futura.

Isso serve até para mostrar ao pessoal mais jovem que empreender não é um bicho de sete cabeças. Que, por mais que não estejamos no Vale do Silício ou em Israel, é possível, sim, criar um negócio de valor e com crescimento de alto impacto aqui no Brasil.

Também tenho a oportunidade de ser professor de empreendedorismo na PUC-Rio. Dou esses exemplos apenas para mostrar o quanto, para mim, é forte a causa. E, a meu ver, o momento da venda foi importante nessa trajetória. Porque, quando empreendedores não são mais os únicos responsáveis por um negócio, podem se dedicar a outro campo fundamental para as transformações que todos queremos ver: a educação.

Por último, o investimento em novos empreendedores é uma bela possibilidade. Que o digam empreendedores como Hernán Kazah, fundador do Mercado Livre, que hoje se dedica a procurar companhias latino-americanas para investir por meio da Kaszek Ventures. Ou como Reid Hoffman, co-fundador do LinkedIn, que também se tornou Venture Capitalist e faz parte do conselho de várias organizações sem fins lucrativos. Ah, e eles também dão mentorias.

No fim das contas, pode ser que você coloque uma grana no bolso e queira tirar umas férias. Pode ser, inclusive, que isso te ajude a “desapegar”. Mas um empreendedor verdadeiramente de alto impacto não dispensa uma oportunidade de devolver à sociedade. Além dos novos projetos que certamente surgirão, sempre haverá quem possa se beneficiar da experiência que você viveu. Não deixe de passá-la adiante!

 

7 coisas que aprendi no Vale do Silício

 

Os mulçumanos precisam ir uma vez na vida à Meca. Quem precisa se encontrar espiritualmente, pode fazer o Caminho de Santiago de Compostela. As crianças que vão à Disney sentem a magia em suas vidas.

Se você é empreendedor, você tem que conhecer o Vale do Silício!

Localizado numa faixa de aproximadamente 60km do sul de San Francisco até o sul de San Jose, esse conjunto de pequenas cidades no coração da Califórnia é o oásis do empreendedorismo mundial.

A Era da Informação que vivemos deve sua origem e consolidação às mentes brilhantes que construíram produtos, serviços, softwares, hardwares, processos, descobertas, inovações incrementais e principalmente as disruptivas, neste local único e especial no mundo.

Lá nasceram Apple, Google, Facebook, Intel, HP, Sales Force, eBay, Evernote, Twitter, Linkedin, Netflix, Yahoo e diversas outras empresas pequenas, médias, grandes e gigantes, B2B, B2C, B2B2C, de hardware, de software, que crescem absurdamente, que são rentáveis ou não, que são vendidas, compradas, fundidas, que fazem IPO, empresas que são líderes e referências em diversas indústrias e mercados globais.

Palo Alto, Menlo Park, Mountain View, Cupertino, San Bruno, Santa Clara San Jose e adjacências abrigam o que há de melhor desse universo. Andando pelas ruas de lá, quando você cruza com alguém, só há 4 opções: ou a pessoa é empreendedor, ou é investidor, ou engenheiro de software ou aluno de Stanford!

Tive a oportunidade de visitar recentemente o Vale e me quesitonei: por que o Vale é assim? O que fez com que ele chegasse nesse nível de excelência? Seria possível replicar esse modelo no Brasil?

Captura de tela 2016-04-27 10.56.27

Curti a sede do Facebook (em Menlo Park)

Captura de tela 2016-04-27 10.56.34

Com a bicicleta do Chrome na sede do Google (em Mountain View)

Captura de tela 2016-04-27 10.56.54

Na rua Loop Infinito número 1, sede da Apple (em Cupertino)

1 – A oportunidade é a origem de tudo

O empreendedor do Vale sabe que todos os problemas do mundo já foram resolvidos! Porém, ele é antes de tudo um inconformado que afirma que a maneira que os problemas foram resolvidos não está boa… e propõe então uma alternativa melhor. A identificação de uma oportunidade a partir de um problema ou necessidade é a origem. No Brasil, às vezes ocorre uma inversão: primeiro o empreendedor define o produto e depois tenta encaixar uma oportunidade.

2 – Cultura empreendedora

Em Stanford, os alunos são estimulados a empreender desde o primeiro dia de aula. Os cursos não são desenhados para preparar os jovens a serem empregados de grandes multinacionais ou funcionários públicos. O foco deles é aprender a aprender. E o aprendizado é aplicado a resolver problemas que podem resultar na criação de novos empreendimentos!

3 – “Get out of the building”

Esse é o mantra de Steve Blank, o guru das startups. Testar, testar, testar, validar hipóteses, criar protótipos e produtos mínimos viáveis. Os empreendedores do Vale saem de suas Torres de Marfim, vão para a rua gastar sola de sapato e buscar a hora da verdade com o cliente! Um protótipo rodando vale mais do que 50 páginas de um Plano de Negócios!

4 – “Fail fast”

Em minutos você consegue abrir uma empresa nos Estados Unidos e em dias você consegue fechá-la se não der certo. Vamos comparar com o Brasil? Meses para abrir e anos para fechar. Por lá, não há medo do fracasso, pois o fracasso de ontem é o aprendizado de hoje para o sucesso de amanhã!

5 – Custo Americano?

A infraestrutura de transportes, telecomunicações, energia, logística, segurança… funciona. As startups têm incentivos fiscais reais. Os mercados consumidores de qualquer segmento são enormes, logo há mais oportunidades. O governo americano evita criar empecilhos e malabarismos como temos por aqui, pois sabe que são as pequenas empresas que geram empregos, inovação e giram a economia.

6 – Ecossistema empreendedor maduro

Investidores-anjo, investidores seed, venture capitalists, aceleradoras, incubadoras, organismos de fomento ao empreendedorismo, startups recém-criadas, startups em franco crescimento, empresas gigantes, universidades… o ecossistema empreendedor do Vale do Silício é maduro e explosivo!

7 – A importância do “give back to society”

Na semana que estive em Palo Alto, ocorreu o 50th International Selection Panel da Endeavor.

A Endeavor é uma organização global de fomento ao empreendedorismo, cuja missão é promover um ambiente que fortaleça a cultura empreendedora, permitindo a conexão de empreededores de alto impacto com aqueles que já trilharam um caminho de sucesso.

Neste evento em Palo Alto, 36 empreendedores de alto impacto de 13 países emergentes estiveram presentes sendo avaliados na última etapa para serem selecionados para integrarem a explosiva rede Endeavor.

O Brasil tinha 2 representantes:

1 – Joaquim Caracas da Impacto Protensão :: um exemplo de como o Brasil é capaz de gerar inovação, inclusive em áreas técnicas como a Engenharia Civil. A tecnologia inventada pelo Caracas é um método construtivo que permite que uma obra seja feita mais rápida, com melhor qualidade, mais barata e ambientalmente mais sustentável do que se fosse feita com os métodos os tradicionais.

2 – Leonardo Simão da Bebe Store :: loja virtual líder no segmento de bebês no Brasil, o Leo é um empreendedor vibrante e apaixonado. Sua trajetória é inspiradora e a maneira como inova no e-commerce brasileiro serve de exemplo para todos. Sua capacidade de execução é acima da média e sua ambição certamente o levará a alcançar seus objetivos.

Parabéns ao Caracas e ao Leo que agora fazem parte de uma rede de mais de 850 empreendedores em mais de 530 empresas de 18 países!

Essa foi a principal lição que aprendi no Vale do Silício: o poder de fazer parte de um ecossistema! O impacto acontece quando você se insere em redes e assim pode multiplicar seu aprendizado, seu negócio, sua liderança, seu sonho. Recomendo a todos!

Luis Vabo Jr em nov/2013